Espertirina Baderneira FAQ #01 – Libertação Animal

Deixe-me você também uma pergunta, que eu estarei respondendo no próximo FAQ!

Essa primeira rodada de perguntas quem mandou foi o canal Animadruga, confiram lá o canal do companheiro.

1- Se nós podemos viver vidas felizes, saudáveis e completas, sem comer os animais, então por que comer animais?

Cultura capitalista enraizada! Assim como não vamos acabar por completo com o machismo, o racismo e a homofobia de uma hora pra outra; A opressão humana aos animais também não acabará. Gerações e gerações nasceram aprendendo que deviam comer carne, porque até um determinado momento era tática de sobrevivência. Porém, defendendo o principio anarquista da coerência entre meios e os fins, assim como não vamos destruir o patriarcado por meios machistas, conseguir o fim do estado por meio do estado, não conseguiremos a libertação animal comendo carne! Comecemos de já o mundo que queremos amanhã!

2- Por que as pessoas pensam que os animais não devem ter direito?

O ocidente é narcisista, seus deuses não são parecidos com o coletivo, a natureza, com cabeça de elefante ou energia da terra; eles são parecidos com o próprio homem e até por vezes vinham na terra se misturar entre nós. O homem nesse sentido era especial, criado imagem e semelhança ao pai todo-poderoso e incumbido de nomear e dominar os outros animais.

Pra quem viu meu vídeo sobre a dúvida, percebeu que a vida significa mudança, e que as coisas são mais efêmeras, mais relativas, pois comparados ao universo somos um grãozinho de poeira. Não somos tão especiais assim como nosso ego quer que sejamos.
Não somos donos desse mundo, compartilhamos ele, e por isso esse mundo é propriedade comum de todos os seres vivos. Todos esses seres devem ter direitos sobre seu mundo.

3- Que característica um ser deve possuir para ser merecedor de direito no seu entendimento?

Uma sociedade anarquista é contra todo tipo de opressão! Toda vida e toda não vida merece seu equilíbrio. Dialeticamente o transformador e o transformado formam uma via de mão dupla, assim é dever ético viver uma vida se desconstruindo da melhor forma, na tentativa de vive-la sem opressões. Sabemos que é um longo caminho, mas já estamos trilhando-o.

Deixo aqui a indicação de leitura da “Carta ao mundo livre“;

4- Que critérios essa sociedade estabeleceu para escolher os animais que amam e os animais que vão comer?

Os animais fofos, que construíram uma representação ao lado dos seres humanos como animais domésticos, possuem laços afetivos mais próximos no imaginário da sociedade, o que provoca solidariedade e compaixão.

Outros animais foram desentimentalizados para extrair suas carnes como se extrai uma maçã da árvore.

5- Respeitar os animais deve ser algo moralmente opcional ou moralmente obrigatório? Você imporia o respeito aos animais ou permitiria o abuso de animais?

Somos contra qualquer tipo de moral, pois toda moral é imposta de cima pra baixo. Construímos juntos uma ética de baixo para cima, portanto seria “eticamente opcional”. Não podemos obrigar as pessoas a serem veganas, nem na sociedade atual, nem num sociedade anarquista.

Não podemos impor o respeito aos animais e nem permitir o abuso deles, temos que pensar para além dessa duas alternativas. Destruir as bases dessa sociedade doentia que geram estruturalmente e culturalmente as opressões aos animais e construir as bases de uma nova sociedade, que terá o respeito aos animais como consenso é o primeiro caminho.

6- Você teria coragem de levar seu filho para visitar o abatedouro de sua cidade ou preferiria o manter na ignorância?

Teria coragem de leva-la (o) dependendo da idade e se ela (e) manifestasse interesse. A ignorância nunca é uma benção!

7- Uma pessoa que faz sexo com um animal sem o consentimento do animal deveria ser presa?

Não se pode falar em consentimento vindo de um animal, assim como não se pode falar de consentimento vindo de uma criança. Isso é opressão e isso é estupro! Ninguém é livre pra oprimir ninguém, não defendemos essa liberdade individual, pois como seres coletivos, só há liberdade quando coletiva.

Essa pessoa requer cuidados médicos, na tentativa de reinseri-la na sociedade. Como anarquistas somos contra as prisões na sociedade atual e algumas medidas devem ser tiradas em coletivo numa sociedade revolucionaria.

8- Uma pessoa que come um animal sem o consentimento do animal deveria ser presa?

Acho que não. Não há consentimento de uma opressão. Toda opressão é domínio, portanto não há um:”tá bom, pode me comer.” k k k

Porém se o coletivo tivesse decidido em discussão de base num federalismo libertário que não poderia e o individuo comesse assim mesmo seria decidido também em coletivo alguma solução.
Deixo aqui a sugestão de leitura do livro “As prisões” de Kropotkin.

9- A partir de que momento um gosto é passível de ser criticado?

Todo gosto é passível de ser criticado, nada é ortodoxo, nada é absoluto como pregam as doutrinas.

10- Culturas tradicionais como touradas, rinhas, circos com animais, farra do boi, vaquejadas, rodeios, foie gras (figado de ganso), andam sendo proibidas por lei em vários países. Impor o fim de tais praticas é um avanço ou regresso?

Como na descriminalização da maconha, acreditamos no auto-cultivo, na auto organização dos espaços e somos contra a centralização da luta, por meio do campo legalista, tributário, ou seja, por meio do estado. Portanto arrancar conquista de baixo pra cima, por meio da luta, são avanços, mas temos que sempre ter a perspectiva revolucionaria em mente para não cairmos no reformismo quando sabemos que o problema é profundo.

Anúncios